Orientações sobre conjuntivite

InícioNotíciasNotícias FAPESOrientações sobre conjuntivite
Olhos vermelhos acometidos pela conjuntivite
Vermelhidão nos olhos, associada à secreção ocular, é uma queixa comum e, na maioria das vezes, se deve a um quadro de conjuntivite. Mas nem todo olho vermelho é conjuntivite. Existem outras doenças que têm como sintoma olhos vermelhos e que podem ser graves.
 
A conjuntivite aguda, que significa inflamação da conjuntiva (membrana fina e transparente que reveste a parte branca dos olhos e o interior das pálpebras), é uma doença em geral benigna, autolimitada e facilmente tratada. Sua incidência aumenta no verão, período em que a umidade e o calor favorecem a disseminação dos agentes infecciosos causadores da doença.
 
As conjuntivites agudas são classificadas como infecciosas - bacterianas e virais - e não infecciosas - alérgicas e não alérgicas (lesão mecânica ou química, produção deficiente da lágrima). A maioria das conjuntivites agudas infecciosas são de etiologia viral. 
 
Os principais sintomas da conjuntivite são olho(s) avermelhado(s) e lacrimejante(s), sensação de corpo estranho ou areia no olho, coceira e inchaço nas pálpebras, dificuldade de abrir os olhos e maior sensibilidade à claridade.
 
As conjuntivites agudas infecciosas são extremamente contagiosas e podem ser transmitidas por meio do contato direto com secreções oculares de uma pessoa infectada ou de maneira indireta, por meio do contato com superfícies, objetos ou soluções contaminadas. 
 
Veja, a seguir, sinais que podem significar problemas mais sérios e que devem ser avaliados, sempre, por um especialista, que é o oftalmologista:
 
1. Redução da acuidade visual (dificuldade para enxergar)
2. Opacidade da córnea
3. Pupilas fixas, não reagentes à luz
4. Cefaleia e náuseas
 
As principais recomendações para a prevenção da doença são:
 
• Lavar com frequência as mãos e o rosto com água e sabão.
• Não compartilhar objetos de uso pessoal (por exemplo: talheres, maquiagem,
toalhas, lenços e fronhas).
• Evitar locais com aglomeração de pessoas.
• Evitar o uso frequente e contínuo de lentes de contato sem limpeza e fazer a substituição nos prazos adequados. 
• Evitar a exposição a poluentes que causam alergia.
 
Na manifestação de algum dos sintomas, o paciente pode ser afastado de suas atividades habituais por orientação médica, evitando o contato e a transmissão para outras pessoas. O diagnóstico de conjuntivite em usuários de lente de contato merece atenção especial, já que estão sujeitos a uma gama de causas secundárias relacionadas ao uso da lente. Se apresentarem quadro de vermelhidão e secreção ocular, devem descontinuar imediatamente o uso das lentes e procurar um especialista.